Eu sou feita dos fortes. Você também!

Eu me lembro do meu avô, Vô Osório, atravessando a cidade inteira de ônibus para ir nos ver e nos levar algumas maçãs e geleia de mocotó. Me lembro de ficar olhando ele subindo a rua lá de casa quando ia embora. Andava devagarinho, um passo de cada vez. Tinha as pernas doloridas, mas o coração cheio de amor para nos dar.

O fruto não cai longe do pé…

Hoje vejo minha mãe partir depois de atravessar o oceano, mais uma vez, para vir nos ver. As distâncias aumentaram porque o mundo de todos nós se tornou mais amplo. As dores nas pernas persistem e os passos vem se tornando mais lentos. Mas o coração… ah, o coração é o mesmo e continua cheio de amor para nos dar.

O fruto não cai longe do pé…

Ainda não sinto dor nas pernas, mas o que eu penso é que, mesmo que elas um dia doam, encontrarei forças para atravessar as distâncias e ver os meus. Foi assim que eles me ensinaram. 🤍

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Maila Couti

Maila Couti

Eu gosto de experimentar a vida e o mundo. E gosto de fazer o exercício da escrita para deixar registrado o que aprendo no papel.

Vamos conversar?